Compartilhe

Seguros, previdência e capitalização

Reestruturação estratégica

Em 2010, o processo de reestruturação do segmento seguros, previdência e capitalização do Itaú Unibanco continuou com seu intuito de melhor atender as demandas do mercado – mas sem perder o foco na satisfação dos clientes e na gestão de riscos.

No segmento de saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou durante o ano de 2010, a transferência do controle societário de 100% da Unibanco Saúde Seguradora para a Tempo Participações.

A reestruturação do segmento Seguros abrangeu, ainda, a homologação, pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), da aquisição da participação da XL SWISS na Itaú XL Seguros Corporativos S.A. pela Itaú Seguros. Nesse contexto, a Itaú XL Seguros Corporativos S.A. será 100% detida pelo Itaú Unibanco, mantendo, assim, a estrutura de atendimento ao segmento de grandes clientes industriais e comerciais, que envolve, entre outros, projetos dos setores de construção civil, química e petroquímica, geração de energia e infraestrutura. O negócio também permitiu que ofertássemos aos mais de 3 mil clientes do Itaú BBA produtos inovadores e adequados às necessidades de projetos de grande porte. No final do ano de 2009, o Itaú-Unibanco efetuou a venda da participação de 14,03% que detinha na Allianz Seguros S.A., filial brasileira da seguradora alemã Allianz.

As mudanças já começaram a dar resultado: alcançamos a liderança no mercado seguros – considerando a participação de 30% na Porto Seguro –, tendo como destaques, no segmento de pessoa física, os produtos do ramo Vida Individual e Garantia Estendida e, no segmento de pessoa jurídica, os produtos Vida em Grupo e Soluções Corporativas.

O volume de receitas de seguros, previdência e capitalização atingiu o equivalente a R$ 5,6 bilhões em 2010, e as provisões técnicas de seguros, previdência e capitalização totalizaram 60,7 bilhões.

Além disso, continuamos buscando melhorar nossa eficiência operacional, controlando custos e investindo em novas tecnologias para aumentar nossa produtividade, simplificar processos, eliminar riscos, melhorar nosso relacionamento com fornecedores e, principalmente, aumentar a satisfação de nossos clientes.

Garantec
A Garantec, marca utilizada pelo Itaú Unibanco para atuar no mercado de garantia estendida com as principais redes de varejo do país, manteve a liderança no mercado, com aproximadamente 55,4% de market share no período de janeiro a dezembro de 2010, conforme dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

O seguro protege o produto contra defeitos funcionais – elétricos, eletrônicos ou mecânicos – que ocorram após o término da garantia do fabricante e cobre os custos de mão de obra e de peças que forem necessários para o reparo do aparelho. Os principais produtos cobertos são: eletrodomésticos, eletroeletrônicos, equipamentos de informática, celulares, aparelhos de fitness, relógios e até móveis.

Em 2010, o Itaú Unibanco intensificou sua comunicação com os clientes para tornar esse tipo de seguro, considerado ainda novidade no Brasil, tão popular quanto já se tornou nos Estados Unidos. Em outubro do mesmo ano, após realizar pesquisa com varejistas, equipes de vendas e consumidores, a Garantec abandonou a antiga grafia – Garantech – e ganhou um novo logotipo, com o objetivo de transmitir aos diferentes públicos seus principais atributos, que são eficiência, proximidade, parceria e inovação.

Programa Garantia Sustentável da Garantec
Em dezembro do ano de 2009, a Itaú Seguros lançou o programa Garantia Sustentável, com o objetivo de fazer o recolhimento e descarte correto de lixo eletrônico.

Esse programa tem por finalidade recolher pilhas, baterias e equipamentos eletrônicos quebrados ou sem uso, como celulares e discmans, que podem ser danosos ao meio ambiente por conterem substâncias que podem contaminar o solo, a água e os alimentos. Além disso, estimulou as assistências técnicas credenciadas a enviar também os componentes trocados em consertos, como tubos de TV, monitores, placas eletrônicas, entre outros, para o descarte ambientalmente correto. Os itens coletados são destinados a empresas especializadas parceiras do projeto, responsáveis pelo tratamento, pela reciclagem e pelo reaproveitamento dos materiais.

Como resultado, esse projeto somou aproximadamente 2,2 toneladas coletadas ao longo do ano de 2010 – o que representa 0,20% de material recolhido do total de produtos vendidos com garantia estendida nas revendas parceiras no período. Parte do material recolhido é oriundo de nossas vendas e parte é proveniente de descartes voluntários. Hoje, o programa está presente em 18 cidades do estado de São Paulo, e o objetivo é estender a iniciativa a outras regiões do país em 2011, considerando a consciência do público com a necessidade de minimizar os impactos ambientais causados por resíduos de equipamentos eletrônicos. (EN27)

Apólice Eletrônica
Os objetivos desse projeto envolvem benefícios econômicos, sociais e ambientais por meio da diminuição do uso de recursos naturais e da mitigação de nosso impacto no meio ambiente, com a redução das impressões de papel e o uso mais racional da logística necessária no processo de emissão e entrega de apólices.

O projeto tem como escopo geral o universo dos Produtos de Vida em Grupo e Acidentes Pessoais Coletivos para pequenas, médias e grandes empresas, sendo que, para os seguros VG Corporate e VG Express, as apólices, as condições gerais, as faturas e os boletos de pagamento são encaminhados via e-mail, reduzindo os custos diretos e indiretos de impressão em mais de 90%. No universo dos Produtos Patrimoniais, temos o Seguro Empresarial, cujos clientes recebem, via correio, somente as “Informações Resumidas do Seguro” (duas folhas). As demais informações são disponibilizadas pela Internet, via Portal do Segurado www.itau.com.br/seguros (através de login e senha). Esse produto contemplado no projeto representa, aproximadamente, 70% do volume total de impressão dos Produtos Patrimoniais.

Para os produtos de Vida e Acidentes Pessoais para pessoas físicas, foi implantado um processo de pós-venda único, de acordo com o segmento do cliente (Varejo, Itaú Uniclass ou Personnalité), que inclui a apólice e as perguntas e respostas mais frequentes sobre os seguros, em uma linguagem mais clara e de fácil compreensão. As Condições Gerais são disponibilizadas na Internet. Essa padronização e redução de material significaram uma economia de R$ 960 mil por ano para o banco.

Parceria IBCC
Parte da venda do seguro de vida para mulheres é repassada ao Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC), contribuindo para o trabalho dessa importante instituição na conscientização, no diagnóstico, na prevenção e no tratamento do câncer.

Soluções Corporativas
Em 2010, a Itaú Seguros S.A. trabalhou seus processos, seus produtos e sua estrutura buscando a melhor performance para atender o segmento de grandes empresas, oferecendo soluções de seguros para grandes clientes industriais e comerciais, importantes para o desenvolvimento do país e atuantes em setores como construção civil, indústrias química e petroquímica, energia, infraestrutura e meio ambiente, entre outros. As soluções oferecidas refletem o empenho da nossa instituição em oferecer suporte de seguro aos clientes que buscam o desenvolvimento de longo prazo, coerente com o crescimento econômico que queremos e capaz de manter relação harmônica entre as pessoas, o planeta e a viabilidade financeira dos investimentos que apoiamos.

Seguros ambientais
O Seguro de Responsabilidade Civil Ambiental faz parte do portfólio de produtos oferecidos pela Itaú Seguros e prevê suporte tanto para eventos de poluição súbita quanto para eventos de poluição gradual, que representam um escopo de soluções amplo para o segurado. Em 2010, nossa carteira movimentou aproximadamente R$ 18,6 milhões em prêmios emitidos, com apólices negociadas principalmente na Região Sudeste do país.

As coberturas suportam os clientes empresariais de setores como  químico,  metalúrgico, hospitalar, siderúrgico, farmacêutico, automobilístico, entre outros. Suportam também a sociedade contra riscos ambientais, associados a eventos de poluição. Essas coberturas representam a garantia de que haverá um montante financeiro disponível para que os danos ao meio ambiente e a terceiros sejam devidamente reparados, objetivando manter um padrão de qualidade ambiental e de saúde pública adequados.

Portanto, além dos benefícios ambientais, as coberturas que podem ser  oferecidas também representam benefícios sociais, visto que, quando o seguro é demandado para cobrir os custos de reparação de danos ambientais, o terceiro afetado poderá ser amparado. De forma complementar, devemos compreender que a reparação ocorrerá sobre um bem que pertence à coletividade – o meio ambiente propriamente dito, de acordo com o que prevê a Constituição Federal do Brasil de 1988, em seu artigo 225.

Gestão socioambiental de seguros: políticas, avaliação de riscos, monitoramento e capacitação de equipe
O processo de contratação envolve a aplicação de critérios  da política de subscrição, que orienta os subscritores para avaliar os riscos ambientais dos clientes que solicitam coberturas para danos decorrentes de eventos de poluição, objetivando uma tomada de decisão adequada no oferecimento da solução.

Avaliamos o cumprimento da legislação ambiental, as medidas de gestão preventiva e emergencial ambiental praticadas, o histórico de práticas ambientais e as características da região do entorno, além de apontar os riscos, indicar recomendações para adequações e decidir pela cobertura para os possíveis danos decorrentes de eventos de poluição, que possam vir a causar degradação ambiental e danos a terceiros.

Os critérios são desenvolvidos e aperfeiçoados com base nas práticas de análise de riscos ambientais definidas pela legislação brasileira e pelas metodologias desenvolvidas pelos órgãos ambientais e com base na extensa experiência dos resseguradores mundiais, que subscrevem riscos ambientais de poluição e possuem larga experiência em tais seguros. O órgão de governança responsável por essas diretrizes é a Superintendência de Produtos, que gerencia a elaboração dos produtos ofertados, faz a revisão dos critérios de subscrição (guidelines), aprova o produto com a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e oficializa, assim, o produto para comercialização aos clientes.

Os resultados da análise de riscos ambientais durante a subscrição poderão: indicar a necessidade de declinar o risco analisado, o oferecimento da cobertura com e sem restrições e o monitoramento da implantação das recomendações feitas ao cliente, entre outras possibilidades que poderão surgir na análise de cada caso específico. Considerando a vigência comumente aplicável de um ano, todos os ano efetivamos a reavaliação das práticas ambientais dos segurados que renovam a apólice, por meio da aplicação de novos questionários ambientais, buscando identificar as atualizações de práticas e informações.

O seguro ambiental não se propõe a cobrir multas ou penalidades que os clientes venham a sofrer por terem causado danos ambientais decorrentes de eventos de poluição, visto que o foco é cobrir a reparação civil dos danos ambientais e a terceiros para evitar o comprometimento da qualidade ambiental e da saúde humana, sem impactar, de forma alguma, nos papéis de fiscalização e aplicação da lei por parte dos órgãos competentes.

Considerando as condições contratuais acordadas entre seguradora e segurado, as não conformidades serão tratadas no momento de regulação de sinistros, avaliando se houve descumprimento das condições por parte do cliente e aplicando as condições previstas pelo próprio contrato, como o cancelamento da apólice em face do descumprimento em questão. Não conformidades encontradas durante os processos de monitoramento poderão ser reforçadas pela seguradora com o segurado para que ele as implante, conforme acordado, ou poderão indicar a saída do risco por parte da seguradora.

Os critérios de subscrição se aplica a todos os clientes que solicitam os produtos relacionados, e, para cada estado da federação, os critérios avaliados são similares. As eventuais especificidades de cada estado, quando se fala de riscos e poluição ambientais, são tratadas na análise de cada caso específico.

As diversas partes interessadas incluídas no escopo dos seguros de responsabilidade civil ambiental – como clientes, corretores e prestadores de serviços, entre outros – recebem visitas com apresentações feitas pela área de subscrição e pela área de vendas, que relatam os principais riscos ambientais aos quais os clientes podem estar sujeitos, os aspectos do ordenamento jurídico ambiental no país, as tendências regulatórias e relacionadas a melhores práticas empresariais em matéria ambiental, os principais aspectos avaliados na subscrição e os dados sobre os benefícios que o produto em questão pode gerar, agregando valor à operação do cliente. As apresentações objetivam mostrar e conscientizar, por meio da interação com as partes interessadas, sobre o que são os riscos ambientais, como os seguros de responsabilidade civil ambiental podem servir de ferramenta complementar no gerenciamento desses riscos e como esses riscos se manifestam na prática. Durante 2010, a Itaú Seguros interagiu com cerca de 10% dos corretores de seguro com os quais temos relacionamento, a respeito de questões ambientais e soluções de seguro considerando que, durante esse ano, trabalhamos focados na revisão da nossa estratégia para esse mercado e não atuamos ativamente na comercialização. Iremos trabalhar para potencializar esse número de interações em 2011, o que consideramos que será algo natural diante dos nossos planos de solidificar a posição pioneira que tivemos nesse mercado e de reconhecer ainda mais a importância dos corretores e dos clientes para o nosso negócio. (FS1, FS2 e FS3)

Para operar toda essa estrutura, dentro da Itaú Seguros existem profissionais com larga experiência em subscrição e no desenvolvimento de seguros de responsabilidade civil, que também possuem formação específica em engenharia ambiental e engenharia civil, além de pós-graduação em gestão ambiental, experiência em inspeções de riscos industriais e na aplicação de roteiros básicos de inspeção de riscos ambientais. Profissionais terceirizados com capacitação em avaliação de riscos ambientais também podem ser contratados. Internamente, existem discussões frequentes entre os subscritores de riscos para aperfeiçoar as trocas de conhecimento e potencializar a capacitação daqueles que se envolvem, de alguma forma, com a avaliação de riscos ambientais. (FS4)

As necessidades de treinamento são avaliadas internamente, pela área de subscrição em geral, e são planejadas para realização tanto in company quanto em treinamentos ou eventos externos, com possibilidades de capacitação com resseguradores mundiais. Em 2010, cerca de 30 subscritores receberam treinamento sobre seguros de responsabilidade civil, com duração de 12 horas, prevendo, em seu escopo, treinamento sobre riscos ambientais envolvendo poluição ambiental. (FS1, FS2, FS3 e FS4)

Mudanças climáticas
À medida que a regulamentação relacionada às mudanças climáticas cresce em âmbito mundial, o mercado para produtos com baixas emissões de gases de efeito estufa (GEE) – desenvolvidos também a partir de novas tecnologias – aumenta, bem como o número de empresas investindo em eficiência energética e no direcionamento de recursos para energia limpa. Esse cenário constitui a base da economia de baixo carbono e também dos novos mercados que o banco poderá acessar.

A Itaú Seguros entende que as alterações climáticas criam um cenário de riscos e oportunidades para a indústria de seguros, e a abordagem desse aspecto dentro da operação permitirá, com mais assertividade, o enfrentamento pela companhia das questões atuais e emergentes relativas à sustentabilidade na indústria de seguros.

De forma estratégica e com um olhar para o futuro, buscamos sempre refletir e considerar as questões climáticas, tanto na subscrição quanto no desenvolvimento de novos produtos. Como exemplo dessa postura podemos citar as oportunidades de alinhamento com resseguradores mundiais que têm experiência na questão climática por meio dos contatos que mantemos com os mercados de seguro e de resseguro mundiais.

Levando em consideração tal cenário, as mudanças físicas que podem surgir em decorrência das alterações climáticas representam, no nosso universo de negócios, riscos potenciais, e podem influenciar, direta ou indiretamente, por exemplo, a sinistralidade dos produtos comercializados e a continuidade das atividades dos clientes segurados.

Duas mudanças físicas que podem ocorrer como resultado de alterações climáticas, e que recebem bastante atenção da seguradora, inclusive na cotação, são: riscos de alagamentos e riscos de vendaval. Considerando tais aspectos, a inspeção em campo busca sempre analisar tais riscos, e em seus relatórios acaba por recomendar ao segurado ou potencial segurado que ele se atente para pontos de vulnerabilidade e adote procedimentos de melhoria nos controles e nas medidas de gerenciamento de riscos em sua operação industrial ou comercial, indicando os níveis de exposição como alto, moderado ou baixo. Para eventos de risco envolvendo vendavais, chuvas fortes e alagamentos, a inspeção busca focar atenção, entre outras medidas sugeridas, na distribuição de mercadorias e equipamentos do segurado que venham a se localizar em áreas ao ar livre ou sujeitas a danos por água, cruzando com uma análise sobre a susceptibilidade daquela região quanto a esses aspectos, gerando uma recomendação de adequação, caso necessário. As adequações que podem ser sugeridas são, entre outras: construção de áreas cobertas de alvenaria, construção de barreiras capazes de conter ventos fortes por meio do plantio de árvores ao redor da unidade industrial ou comercial e reforço nas estruturas de alvenaria já existentes.

Dessa forma, o produto de seguro e os serviços realizados e atrelados ao fluxo de contratação de tal produto são capazes de influenciar positivamente e de maneira efetiva a adaptação dos clientes diante dos fenômenos resultantes das mudanças climáticas, protegendo seus patrimônios e mitigando riscos futuros. (EC2)

Iniciativas de apoio aos programas de seguros dos clientes
O Itaú Unibanco desenvolve com os clientes ações de educação securitária que buscam explicar a importância dos produtos de seguro para amparar, de forma complementar e efetiva, o gerenciamento dos riscos dos negócios. Podemos mencionar, entre outros, os suportes explicativos relativos a produtos como o Seguro de Responsabilidade Civil para Administradores (D&O), o Seguro de Responsabilidade Civil Profissional (E&O) e o Seguro de Responsabilidade Civil Ambiental. Os riscos que esses produtos se propõem a cobrir são complexos e, algumas vezes, passam imperceptíveis para o potencial cliente.

Educação financeira em seguros
A área de seguros oferece um treinamento específico para empresas clientes em potencial e corretores sobre produtos ou linhas inovadoras de seguros, como o Ambiental, D&O (Directors&Oficers) e E&O (Errors&Omissions).

Nesse treinamento, são explicadas as modalidades de riscos que tais produtos se propõem a cobrir, e os clientes são assessorados quanto a riscos potenciais que podem fazer parte de suas operações e poderiam ser transferidos por meio da estruturação de um plano de cobertura de seguros adequado. (FS16)

Previdência
O Itaú Unibanco atingiu a marca de R$ 51,4 bilhões em reservas totais de previdência em 2010, sendo R$ 41,9 bilhões nos planos individuais e R$ 9,5 bilhões nos empresariais.

Nos planos individuais, a estratégia comercial baseia-se na consultoria financeira, observando o perfil e necessidades dos clientes de forma a maximizar os benefícios fiscais existentes nos planos de previdência.

A inovação em produtos tem sido importante para o crescimento sustentável da operação de previdência para pessoas físicas, sendo que possuímos planos cuja política de investimentos é diferenciada em relação ao mercado. Podemos destacar o Flexprev Índice de Preços, que aplica seus recursos principalmente em títulos públicos atrelados ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e com pagamento de cupons cujos prazos são superiores a cinco anos. Outro produto diferenciado é o Flexprev Valor, que aplica parte dos recursos em ações que, de acordo com os gestores especializados, possuem maior capacidade de valorização segundo a análise fundamentalista das empresas. Em dezembro de 2010, também de forma pioneira, foi lançado o Flexprev Turbo RF, fundo de renda fixa com títulos pré e pós-fixados que buscam superar o IMA Geral (desconsiderando os papéis atrelados ao IGPM).

Na operação de previdência para pessoa jurídica, o destaque de captação ficou por conta da conquista de transferências expressivas vindas de outras entidades de previdência e por uma evolução consistente no faturamento da carteira de clientes de planos já existentes. Esse movimento, associado a uma estratégia bem-sucedida de retenção de resgates e transferências de recursos para outras entidades, resultou em uma captação líquida destacada em relação ao mercado de previdência para pessoa jurídica como um todo.

A Itaú Vida e Previdência têm em sua carteira de ativos o fundo Unibanco Previdência Corporate Responsabilidade Social. Esse fundo pode investir até 49% de sua carteira em ações de empresas listadas no ISE da Bovespa (Índice de Sustentabilidade Empresarial), e o restante, em títulos de renda fixa.

Durante 2010, foram destaques as medidas com foco na qualidade no atendimento ao cliente, que possibilitaram à Itaú Vida e Previdência ganhar o prêmio de Empresa que mais Respeita o Consumidor, na categoria Previdência Privada, promovido pela revista Consumidor Moderno. Os principais atributos analisados foram qualidade do atendimento – englobando todo o ciclo do contato –, qualidade do produto, imagem da empresa, preço e diferenciais de responsabilidade social e ambiental.

Capitalização
Em 2010, registramos vendas de aproximadamente R$ 1,8 bilhão, com provisões técnicas em torno de R$ 2,6 bilhões.

O Itaú Unibanco participa de ações socioambientais e de responsabilidade social, praticadas por meio de repasses de recursos provenientes das vendas de diversos produtos, principalmente com títulos de capitalização.

A parceria da Cia. Itaú de Capitalização com a AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) teve início em 2007, com o PLIN do Unibanco e, desde 1º de julho de 2010, foi estendida para o PIC do Itaú.

No período de janeiro a dezembro de 2010, o valor repassado para a AACD foi de R$ 2,1 milhões. A instituição promove a reabilitação e a inclusão social de pessoas com deficiência física em todo o Brasil.