Relatório Anual 2012 Itaú Unibanco Holding S.A.

Frentes viabilizadoras

GRI 4.1

As frentes viabilizadoras existentes em nosso Mapa de Sustentabilidade são alavancas internas que dão sustentação às diversas iniciativas desenvolvidas em todas as áreas do banco para que nossos focos estratégicos estejam sempre conectados às estratégias de negócio.

Governança e gestão

GRI 4.9

Governança de Sustentabilidade

O êxito da consolidação de nossa estratégia para a gestão da sustentabilidade depende de uma governança ativa e capaz de inserir o tema em todas as áreas. Por isso, uma nova estrutura de governança da sustentabilidade passou a vigorar em 2012 com maior poder deliberativo.

Além disso, a área de sustentabilidade participa de outras instâncias do banco, como o Comitê de Excelência do Atendimento, o Comitê de Risco Socioambiental e o Comitê de Avaliação de Processos e Produtos. Como resultado da participação nesse último, em 2012, mais de 200 projetos foram avaliados já com a perspectiva dos focos estratégicos da sustentabilidade.

As instâncias da Governança da Sustentabilidade são:

Comitê de Supervisão de Sustentabilidade – composto por membros do Conselho de Administração, reúne-se anualmente, fornece subsídios às estratégias de longo prazo e tem a responsabilidade de acompanhar e orientar a política de sustentabilidade, assim como validar a estratégia de longo prazo do Itaú Unibanco em relação à sustentabilidade. O primeiro encontro, previsto para o fim de 2012, foi realizado em janeiro de 2013.

Comitê Executivo de Sustentabilidade – responsável pela integração entre as estratégias de negócio e a sustentabilidade e pela promoção da corresponsabilidade das diversas áreas da organização na integração da sustentabilidade à gestão e à cultura organizacional. É composto por membros do Comitê Executivo (Vice-Presidentes e Diretores Executivos). As reuniões são realizadas semestralmente e podem ocorrer extraordinariamente, quando necessário. Em 2012 foram realizados três encontros.

Comitê de Sustentabilidade – implementa a estratégia de sustentabilidade e assegura a sua gestão, além de monitorar a evolução dos planos de ação, o desenvolvimento de indicadores e a mensuração de metas. Possui caráter deliberativo e é composto por Diretores e Superintendentes de áreas envolvidas na implementação de iniciativas relacionadas à estratégia de sustentabilidade. Foram realizadas oito reuniões, gerais e temáticas, nas quais foi possível reforçar os objetivos de cada foco estratégico.

Grupos temáticos – são formados para gerenciar as iniciativas em andamento, alinhar e compartilhar o conhecimento. Seus focos de trabalho são educação financeira, riscos e oportunidades socioambientais e diálogo e transparência. Há também um grupo de trabalho de compromissos voluntários, formado pelas áreas de Compliance, Jurídico, Controles Internos, Relações Governamentais e Sustentabilidade, que têm por finalidade gerenciar o fluxo de aprovação de novos compromissos e avaliar nossa aderência a eles e tratar de planos de ação para eventuais lacunas e descolamentos.

Incentivos

GRI FG_Economia e 4.5

A análise de desempenho e a remuneração variável dos executivos são ferramentas fundamentais para a estratégia da performance sustentável.

Alguns exemplos importantes para essa análise são metas que contemplam indicadores financeiros, índice eficiência, clima organizacional e satisfação de clientes que visam impulsionar resultados para garantir a performance sustentável de nossos negócios.

Eficiência

GRI FG_Ambiental e FG_Econômico

O Projeto Eficiência está pautado pela busca de redução de custos e pelo aumento da geração de receitas, de forma perene, em todas as áreas do banco. Buscamos, assim, a avaliação sistemática de nossas despesas, a redução de desperdícios, a otimização de recursos e melhor sinergia entre as diversas atividades operacionais.

Em 2012, conseguimos estabelecer metas de ecoeficiência para as agências e os prédios administrativos. Elas objetivam reduzir o consumo de água, energia e papel, diminuir a produção de resíduos (e dar a eles a destinação adequada) e aumentar nossa capacidade de utilização de energia renovável.

Portanto, com melhor utilização dos recursos que consumimos e com relações de longo prazo mais equilibradas com nossos clientes, fornecedores e colaboradores, poderemos ter ganhos efetivos na geração de valor para os acionistas e a sociedade.

Cultura

GRI FG_Laboral

Nossa cultura corporativa, expressa nas dez atitudes do Nosso Jeito de Fazer, é o modo como buscamos concretizar a nossa visão de ser o banco líder em performance sustentável e em satisfação dos clientes. Por isso, é fundamental que todos os processos de cultura interna estejam alinhados à estratégia de sustentabilidade da organização. GRI 4.8

Desde 2012, as diretrizes de sustentabilidade estão sendo introduzidas, de forma transversal, em toda a grade de cursos que colocamos à disposição para a capacitação de nossos colaboradores. Da mesma forma, a performance sustentável passa a ser critério permanente para análise de premiações e reconhecimentos, como no caso do Prêmio Walter Moreira Salles, que reconhece projetos, iniciativas e colaboradores de nossa instituição em diferentes categorias (eficiência, qualidade, inovação e gestão de pessoas).