Relatório Anual 2012 Itaú Unibanco Holding S.A.

Eficiência

GRI 1.2
Evolução do Índice de Eficiência (IE)



Fonte: Itaú Unibanco
IE=Despesas/Receitas

A melhoria constante da eficiência de nossas operações é uma estratégia fundamental para atingirmos a performance sustentável e a satisfação dos clientes que almejamos. Na nossa visão, ser eficiente significa ter a competência para avaliar nossas atividades e identificar oportunidades de reduzir custos, gerir os investimentos de forma adequada para ganhar agilidade e enxergar oportunidades de negócio e de processos que possam assegurar a geração maior de receitas. GRI FG_Economia

Fechamos 2012 com o índice de eficiência de 45,4%, diante dos 47,3% alcançados em 2011, resultado da agenda de eficiência que permeia todas as áreas do banco. Quanto menor for esse número, calculado com base na receita gerada e nos custos operacionais, mais estaremos preparados para competir em um cenário de menores taxas de juros, conforme o ano de 2012 consolidou. GRI 1.2

Os princípios do Projeto Eficiência são a análise detalhada dos gastos para definição de parâmetros e indicadores, a disseminação das boas práticas e o controle sistemático dos resultados alcançados. Seu êxito depende, sobretudo, do comprometimento das equipes em atuar de acordo com nossos valores, expressos no Nosso Jeito de Fazer.

O ano de 2012 foi marcado por iniciativas de otimização na utilização de recursos, revisão de processos operacionais e readequação de equipes. Foram revistos todos os tipos de despesas (das menores às mais complexas), políticas e modelos. Identificamos sinergias e buscamos resultados sustentáveis para a corporação e para os clientes.

Um dos ganhos obtidos em eficiência ocorreu na área de Cartões de Crédito, em que diferentes plataformas de processamento (cada uma com sua própria estrutura) foram integradas em uma única base, resultando em uma melhor padronização das operações e redução de custos.

Etapas do Processo

Investimentos em TI

Um dos maiores investimentos iniciados em 2012 foi na área de Tecnologia, porque acreditamos que só assim poderemos garantir a eficiência de nossas operações e a satisfação de nossos clientes e construir a base necessária para um crescimento sustentado nos próximos anos. Até 2015, destinaremos R$ 10,4 bilhões para construir um novo data center, criar uma arquitetura multicanal de atendimento, simplificar processos e plataformas e melhorar a qualidade e a análise dos dados disponíveis em nossos bancos de dados. GRI FG_Economia

Nosso novo data center será o maior do Brasil, construído em um terreno de 815 mil m² (maior que 120 campos de futebol) na cidade de Mogi Mirim, interior de São Paulo. A primeira fase do projeto, que terá o investimento de R$ 2,3 bilhões, tem início previsto para 2015. A estrutura já foi pensada para poder ser ampliada em duas etapas posteriores, que garantirão seu desempenho até 2050. Com uma capacidade de processamento 16 vezes maior que a atual e infraestrutura de telecomunicações adequada, o data center – que receberá a certificação ambiental LEED – ainda permitirá redução de mais de 40% no consumo de energia, diminuindo seus custos de operação. GRI EN26

 
Projeto do novo data center Mogi Mirim.

GRI 1.2

 

Também estamos nos preparando para atender às novas demandas de nossos clientes, cujo relacionamento com o banco tem evoluído por conta das inovações tecnológicas e novas ferramentas de comunicação. A internet já representa, atualmente, um dos principais canais utilizados para realizar operações bancárias; e a plataforma mobile, com a popularização de smartphones e tablets, vem apresentado crescimento exponencial. A simplificação de processos e plataformas é outra iniciativa que vai resultar em ganhos de eficiência e redução de custos. Com a racionalização de sistemas, será possível agilizar o desenvolvimento de novos produtos, diminuir o tempo de resposta necessário para os clientes e abastecer as áreas de negócio com as informações necessárias para a melhoria contínua da qualidade dos produtos e atendimento. Uma de nossas principais inovações em 2012 foi a instalação do sistema de biometria nos caixas eletrônicos, que permite a realização de todas as operações apenas pela identificação da impressão digital e sem a necessidade de digitar a senha, dando maios segurança a esse canal. GRI FG_Ambiental, FG_Economia e PR1

Outra frente de investimento é a que chamamos de Data Management Transformation, processo que permitirá melhorar a qualidade de nossas bases de dados e facilitar a inovação nas áreas de negócio. Ao integrar as informações disponíveis de nossos clientes, teremos condições de conhecer suas necessidades, aumentar o controle contra riscos e fraudes e oferecer os melhores produtos e soluções para cada caso. GRI PR1

Toda essa evolução é um processo contínuo, influenciado pelas mudanças no relacionamento das pessoas com o banco. Nos próximos anos, nosso desafio será identificar e nos antecipar às tendências – como a utilização de tecnologias disponíveis em telefones celulares para a realização de pagamentos – e manter nossa característica de pioneirismo, com foco também na segurança e na comodidade de nossos clientes. GRI PR1

Ecoeficiência

A gestão e utilização racional dos recursos naturais é uma de nossas preocupações constantes porque permite diminuir os impactos e aumentar a eficiência de nossas operações com geração de benefícios econômicos. Por conta do uso intensivo de equipamentos tecnológicos em nossa rede de agências e prédios administrativos, somos levados a consumir água e energia em proporções elevadas. Por isso, reduzir e otimizar esse consumo tem sido um de nossos principais objetivos.

Todas as iniciativas que desenvolvemos de aprimoramento têm base em quatro pilares: custos de implantação, disponibilidade no mercado, performance técnica do sistema e ganhos de ecoeficiência. GRI FG_Ambiental

Informações complementares GRI EN5,EN16,EN17,EN18,EN26

Para consolidarmos nosso compromisso com a ecoeficiência, realizamos em 2012:

  • Instalação de 5 novas salas de telepresença: o que totalizou 19 salas. Seu uso durante o ano evitou a emissão de 2.523 toneladas de CO2 na atmosfera.
  • Modernizações em sistemas de ar condicionado (agora operados a gás natural, propiciando a redução da emissão de poluentes atmosféricos) e instalação de timers na iluminação do restaurante.
  • Itaú Microcrédito: deixamos de imprimir fichas de avaliação socioeconômica, cópias de CPFs, RGs, comprovantes de residência e extratos bancários. A digitalização dos documentos possibilitou a economia em cópias, impressão, papel e arquivamento de aproximadamente 128 mil folhas de papel.
  • Contador de Sustentabilidade: a cada contrato de câmbio assinado digitalmente no Itaú 30 Horas, é contabilizada a quantidade de folhas de papel e a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) poupadas e evitadas. O contador exibe para o cliente a somatória de folhas não usadas e o equivalente em CO2. Até dezembro de 2012, cerca de 9,1 milhões de folhas de papel deixaram de ser utilizadas, evitando a emissão de mais de 36,2 toneladas de CO2 na atmosfera.
  • Como resultado de nossos esforços, em 2012, tivemos redução estimada em 12.816 GJ (fator de conversão é 1 kWh – 0,0036 GJ) de energia consumida em 2012 nos prédios administrativos. Temos como meta a redução de 2% no consumo até 2015.

Projetos da área de Tecnologia em desenvolvimento:

  • Modernização da infraestrutura de data center
  • Implantação de sistema de gerenciamento de energia em desktops e notebooks
  • Virtualização e consolidação de storage e servidores
  • Ampliação da troca de monitores de CRT para LCD
  • Ampliação do número de desktops virtuais (VDI)
  • Captura e transmissão de imagem de cheques e documentos digitais

Água e energia GRI EN5, EN8

Um dos grandes avanços que realizamos com relação a isso é o monitoramento mensal do consumo de água e energia elétrica e da destinação adequada de resíduos Definimos também metas para redução do consumo de água e energia. Em 2012, nos polos administrativos, diminuímos o consumo de energia em aproximadamente 1%, e o de água, em 8% em comparação com o ano anterior. GRI EN8, EN4

Informações complementares GRI EN4


2010 2011 2012 Unidade
EN4 Consumo de Energia Indireta 2.152.018 2.208.433,00 2.229.230,12 Gigajoule

Toda a energia comprada pelo banco é proveniente de concessionárias, e no Brasil não há uma legislação que determine o fornecimento da fonte de energia utilizada pelas distribuidoras.

O Itaú Unibanco estabeleceu metas de redução do consumo de energia indireta:

2012 2013 2014 2015
- 1% 3% 4%

Implementamos dispositivos mais eficientes e econômicos, como películas de proteção solar nos vidros, que contribuem para reduzir a temperatura das superfícies internas; a utilização de energia proveniente de fontes limpas (eólica, solar, pequenas hidrelétricas e biomassa) em prédios administrativos de maior consumo; e o reaproveitamento de água pluvial para torres de resfriamento, caixa de decantação, bacias sanitárias, lagos e irrigação de jardins. GRI EN26

Informações complementares

Consumo de Água GRI EN8
Consumo de Água (m3/ano) Prédios Administrativos Agências Total
2010 2011 2012 2010 2011 2012 2010 2011 2012
Rede Pública 710.381 713.148 590.208 1.281.160 1.202.732 1.197.768 1.991.541 1.915.881 1.789.378
Poço Artesiano 89.803 98.290 106.673 0 0 0 89.803 98.290 105.272
Total de Retirada* (EN8) 800.184 811.439 696.882 1.281.160 1.202.732 1.197.768 2.081.344 2.014.171 1.894.650
* O Itaú não utiliza águas de superfície (rios e lagos), nem coleta de água de chuva ou outras organizações.

Transporte e emissões GRI EN29

Investimos durante o ano para a racionalização do uso de nossos meios de transporte. Por meio de campanhas educativas e de comunicação, incentivamos nossos colaboradores a utilizar vans para transitar entre os prédios administrativos em substituição aos táxis, que levam menor número de pessoas por viagem. Assim, alcançamos redução de 54% da quilometragem percorrida se comparada com 2011.

Geração de resíduos e efluentes GRI EN26

A preocupação com a ecoeficiência tem alcançado resultados mais rápidos em nossas novas instalações, como o Centro Tecnológico do Tatuapé (CAT 2) e o novo data center em Mogi Mirim. Ambos os prédios, com conclusão prevista para 2014, receberão certificação LEED, concedida a edificações que seguem boas práticas de construção e possuem alto desempenho ambiental e energético. Nas instalações mais antigas, construídas sem as técnicas disponíveis atualmente, a modernização para atingir a ecoeficiência demanda mais planejamento, avaliação de riscos para a operação das áreas e impacto dos custos necessários.

Nos últimos dois anos, os principais prédios administrativos passaram por reformas para reduzir o consumo de recursos e diminuir o impacto ambiental de nossas operações. Em todas as obras que realizamos, para construção de novos prédios ou reforma dos antigos, controlamos a geração e a disposição adequada de resíduos.

No prédio que já utilizamos no Centro Tecnológico do Tatuapé (CAT), mantivemos a certificação ISO 14001, norma desenvolvida com objetivo de criar equilíbrio financeiro e redução do impacto ambiental por meio de um Sistema de Gestão Ambiental. Exemplo dessa ação foi a implementação da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), com aproveitamento da água de reúso para abastecer as torres de resfriamento de ar condicionado. Nos cinco meses de operação da ETE em 2012, foram gerados 7.192 m³ de água de reúso.

Dispomos de sistemas para tratamento e reuso de água nos prédios do Centro Empresarial do Jabaquara, do Centro Tecnológico da Moca e dos Centros Administrativos do Tatuapé e da rodovia Raposo Tavares. Em 2012, utilizamos 62.925 m³ de água de reúso, um aumento próximo a 50% em comparação com o ano de 2011.

Informações complementares GRI EN1,EN22

O total do consumo de papel diminuiu 9% de 2011 para 2012; o descarte de resíduos não perigosos também vem sofrendo queda desde 2010.

Os papéis, assim como resíduos de obras, plástico, metais, vidro, madeira e pilhas são encaminhados à reciclagem, destino de quase 50% dos resíduos não perigosos gerados pelo banco.

TI Verde

Criado em 2008, nosso Comitê de TI Verde tem o objetivo de identificar, mapear e mensurar oportunidades que levem em conta as esferas econômica, social e ambiental das áreas de TI. Com a aquisição de aparelhos mais eficientes, descarte adequado e sustentável do lixo eletrônico e aumento do uso de salas de telepresença e videoconferência, conseguimos diminuir sistematicamente o consumo de energia e a emissão de gases causadores do efeito estufa.

Nossa frente de atuação também se preocupa com o descarte adequado de nosso lixo eletrônico, evitando a contaminação do solo e possibilitando a reciclagem dos materiais. Apenas em 2012, foram coletadas e descartadas 5.360,45 toneladas de lixo eletrônico (computadores, impressoras, monitores e outros equipamentos) vindas da administração central, dos data centers, das agências e do almoxarifado. GRI EN22

Sem papel

O projeto Itaú Sem Papel é uma iniciativa que tem como objetivo incentivar os clientes a cancelarem o recebimento de extratos em papel, substituindo-os pela versão digital. Com o slogan “Mude. Papel só no que vale a pena”, divulgado em campanhas publicitárias nos diferentes veículos de comunicação, a ação tenta sensibilizar nossos clientes para a possibilidade de contribuir para a redução do impacto ambiental de nossas operações.

Clientes pessoa jurídica também são incentivados a participar de iniciativas de redução de impressões nas operações do banco. Cerca de 35% das solicitações de extrato no último ano foram em formato digital, o que permitiu economizar mais de 4 milhões de folhas.

Campanha sem Papel Clique aqui e veja a campanha do projeto Itaú Sem Papel.