Relatório Anual 2012 Itaú Unibanco Holding S.A.

Remuneração

Política de remuneração

Em 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Resolução CMN nº 3.921/2010, que estipula as regras para pagamento da remuneração variável dos administradores (Diretores e membros do Conselho de Administração) de instituições financeiras.

Segundo a Resolução CMN nº 3.921/2010, quando houver pagamento de remuneração variável, no mínimo 50% da remuneração deve ser paga em ações ou instrumentos baseados em ações, e no mínimo 40% deve ser diferido para pagamento futuro em pelo menos três anos. Especialmente com relação às parcelas diferidas e não pagas, se a instituição apresentar resultado negativo, é aplicado o claw back (o termo em inglês alude à possibilidade de “retomada”), no qual o pagamento das parcelas não é pago para minimizar o prejuízo da instituição e de seus acionistas.

Ainda em linha com a norma, instalamos um Comitê de Remuneração, que relata-se ao Conselho de Administração, cuja atribuição é zelar pelas discussões dos assuntos relacionados à remuneração dos administradores das empresas do Conglomerado Itaú Unibanco, incluindo a elaboração de uma Política de Remuneração, bem como realizar narrativa direta e transparente ao Banco Central do Brasil.

A Política de Remuneração consolida nossos princípios e práticas para que a remuneração seja estruturada de forma que atraia, retenha e recompense meritocraticamente as entregas realizadas pelos administradores, além de incentivar a adoção de níveis prudentes de exposição ao risco nas estratégias de curto, médio e longo prazos na condução de seus negócios.

Portanto, a política garante que a remuneração dos administradores esteja alinhada às diretrizes do Banco Central do Brasil e tem como fundamento desenvolver práticas sustentáveis com o objetivo de buscar o maior alinhamento entre os interesses dos administradores, do Itaú Unibanco e dos seus acionistas.

Regimento Interno do Comitê de Remuneração Clique aqui e veja o Regimento Interno do Comitê de Remuneração.