Relatório Anual 2012 Itaú Unibanco Holding S.A.

Carta da liderança

Mensagem do Presidente do Conselho de Administração

GRI Perfil 1.1

O crescimento da economia brasileira nos próximos anos – em meio a um cenário de crise na Europa, baixo desempenho dos mercados norte-americanos e redução gradativa da atividade na China – dependerá, essencialmente, de iniciativas ligadas à produtividade. Esse é o conceito decisivo para alcançarmos a nossa visão de liderança em performance sustentável e satisfação de clientes, especialmente se levarmos em conta as significativas transformações pelas quais vem passando o nosso mercado, transformações que impactam de forma significativa a nossa maneira de fazer negócios.

O ano de 2012 foi, para o Brasil, um período de transição para um modelo de economia mais próximo daquele que vemos em nações mais desenvolvidas. As taxas de juros caíram substancialmente, assim como os spreads e as margens financeiras. Por outro lado, os custos de infraestrutura e impostos continuam muito elevados no país. Essa conjuntura implica em uma mudança estrutural da atividade bancária, com impactos não apenas para quem toma crédito, mas também para quem investe. Um novo conjunto de produtos e serviços será parte fundamental da nossa estratégia. E, acima de tudo, teremos de aprimorar a visão de longo prazo como o caminho para obter resultados através de relações perenes e transparentes com nossos clientes.

Apesar desses desafios, chegamos a 2013 com uma percepção clara de como agir. Antecipamos tendências e nos preparamos para acompanhar a retomada do crescimento do país, que deve ocorrer com novos investimentos em infraestrutura, incentivos governamentais, manutenção das taxas menores de juros e redução dos encargos. Esse é o cenário que esperamos para os próximos meses. Um cenário que, graças aos nossos esforços de preparação dos últimos anos, poderemos aproveitar plenamente.

Como parte da preparação para as novas exigências do mercado, fizemos importantes avanços no que diz respeito às estruturas e políticas de governança corporativa da instituição. Lançamos nossa Política de Transações com Partes Relacionadas e alteramos a composição de nosso Conselho de Administração conforme estava previsto desde a fusão do Itaú com o Unibanco, ocorrida em 2008. Assim, garantimos que temas relevantes para a gestão sejam analisados com assiduidade e transparência, contribuindo para as tomadas de decisões de acordo com os interesses do banco e de seus acionistas.

Progredimos significativamente em nossa visão de sustentabilidade, sempre atentos aos desafios para acompanhar as mudanças e demandas da sociedade. Nossos esforços para expandir os conhecimentos sobre educação financeira e avaliação dos critérios sociais e ambientais têm sido reconhecidos como modelos dentro e fora do país, como mostram os diversos prêmios que recebemos e a presença do banco nos principais índices de sustentabilidade no exterior (Dow Jones Sustainability Index) e no Brasil (Índice de Sustentabilidade Empresarial). Como líderes, é nosso papel influenciar o mercado em direção às mais avançadas práticas e padrões internacionais.

Por fim, provamos que podemos ser mais eficientes e competitivos. Nossas equipes garantiram que as despesas da corporação crescessem menos do que a inflação no exercício de 2012, proporcionando-nos uma indiscutível vantagem competitiva. Isso é resultado de uma cultura corporativa forte e já consolidada, do respeito ao conjunto de atitudes do Nosso Jeito de Fazer e da crença na meritocracia como principal instrumento de geração de valor na instituição.

Este relatório anual é um retrato do que já produzimos, mas também dos desafios que temos à nossa frente. Continuaremos a expandir o banco no Brasil e no exterior. Internacionalmente, demos passos importantes para expandir nossas operações na América Latina e na Europa. Esse processo vai requerer mais capacitação e, sobretudo, grande dedicação das nossas lideranças. No Brasil, a meta é consolidar os profundos processos de mudança já iniciados. Tenho plena confiança de que o Itaú Unibanco está preparado para fazer de 2013 um ano memorável em qualidade e performance.

Pedro Moreira Salles
Presidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco Holding S.A.

Mensagem do Presidente Executivo

Nos últimos anos o Brasil mudou em muitos aspectos. Conseguimos um desenvolvimento social grande nos últimos anos e boa parte da população entrou definitivamente no mercado de consumo. O crédito a esses novos consumidores também precisou crescer, e nosso papel foi importante para ajudar as famílias a realizarem seus sonhos e projetos. Mas em 2012, como consequência das dificuldades que a crise de 2008 trouxe ao mundo, a economia brasileira teve seu segundo ano consecutivo de crescimento abaixo do esperado. E esse cenário acentuou a tendência do ano anterior de maior inadimplência, juros e margens menores no mercado financeiro brasileiro e essa nova conjuntura nos obrigou a repensar definitivamente a forma do banco operar.

Buscamos compensar os efeitos negativos desse ambiente controlando fortemente despesas, recolocando nosso apetite a risco em níveis compatíveis com as condições de mercado acima descritas e procurando aumentar receitas de serviços e seguros. Embora os resultados do ano tenham ficado abaixo de nossa expectativa inicial, já no 4° trimestre apresentamos melhoras como consequência das estratégias estabelecidas. No ano nossas despesas evoluíram apenas 1,8% com 1,9 p.p. de ganho no índice de eficiência, o índice de inadimplência fechou o ano em queda, e em patamar inferior ao fechamento de 2011 e com receitas de serviços e seguros com forte evolução.

Nesse ambiente de mudanças no mercado lançamos diversos novos produtos de investimento (por exemplo: fundo imobiliário, debêntures e crédito privado em geral), crédito (por exemplo: cartão de crédito 2.0), serviços (por exemplo: conta corrente acoplada ao celular) e seguros (por exemplo: prestamista para PJ), reorganizamos estruturas operacionais para ganhar eficiência (cartões e agências) e ainda realizamos com sucesso a maior (R$ 11,7 bilhões) oferta pública de aquisição de ações da história do mercado de capitais no Brasil ao adquirirmos os 49,98% das ações dos minoritários da Redecard. Essa aquisição nos permitirá uma maior integração do banco com a Redecard no relacionamento com lojistas e no desenvolvimento de novas soluções de meios de pagamentos, além de estar em linha com nossa estratégia de aumentar nossas receitas de serviços.

Fizemos também a associação com o BMG para passarmos a atuar no mercado de crédito consignado através de correspondentes bancários. Essa operação somada a nossa tradicional operação de agência nos dará já em 2013 a liderança na produção de crédito consignado, importante carteira de crédito para pessoa física de nosso mercado, tendo superado o financiamento de automóvel (onde temos a liderança), ficando atrás apenas do crédito imobiliário (onde também temos a liderança dentre os bancos privados). O crédito consignado é um produto de baixo risco pela garantia do salário, e o aumento de nossa presença nesse mercado está em linha com nossa proposta de apetite de risco para esse novo cenário de juros e margens mais baixos.

Demos início também à alocação de R$ 10,4 bilhões no desenvolvimento de uma plataforma tecnológica que vai equipar o banco para atender às novas demandas. Em 2014, inauguraremos a primeira parte de nosso novo data center na cidade de Mogi Mirim, no interior de São Paulo, com recursos mais modernos que nos darão maior agilidade e segurança para atender os clientes. Poderemos também analisar com mais clareza o perfil das pessoas com quem nos relacionamos e poderemos oferecer, cada vez mais, os produtos e serviços mais adequados para cada perfil e situação.

Não podemos deixar de ressaltar o empenho de todos em melhorar a qualidade de outros serviços  e reduzir o número de reclamações nos canais internos do banco e nos órgãos de defesa do consumidor. A satisfação dos clientes é um objetivo expresso em nossa visão e realizamos diversas iniciativas para melhorar nossa comunicação, sermos cada vez mais transparentes e entendermos as necessidades individuais que tiveram êxito visando deixar a liderança dos rankings em Procons e no Banco Central. Investimos maciçamente para que, além de ampliar nossa rede de agências, pudéssemos oferecer canais de atendimento mais ágeis aos nossos clientes por meio da internet, de telefones celulares, de tablets, e de correspondentes bancários, por exemplo.

Internacionalmente, tivemos bom crescimento nas operações existentes e ganhamos mercado na América Latina, que é nossa prioridade para crescimento. Abrimos um banco para operar com grandes clientes corporate na Colômbia, iniciativa cujos resultados nos deixam muito satisfeitos por conta dos contatos que fizemos e da boa carteira de negócios que já montamos, superando nossas expectativas. Mas não podemos ter pressa para fazer novos negócios, precisamos esperar melhores oportunidades que devem aparecer com a melhora da economia brasileira.

Nossas conquistas e nosso bom desempenho nos colocam, porém, em um patamar ainda mais elevado de exigência. Fizemos um bom exercício para mantermos nossa liderança no setor bancário, cuja concorrência seguirá aumentando, assim como as expectativas de nossos clientes para que atendamos às suas necessidades com mais rapidez e com os melhores produtos. Nossa marca é a mais valiosa do Brasil e somos reconhecidos por nossa gestão da sustentabilidade. Os próximos desafios exigirão muito esforço e dedicação, mas tenho confiança de que estamos prontos para sermos um novo banco com crescimento consistente, sustentável e perene.

Roberto Setubal
Presidente Executivo do Itaú Unibanco Holding S.A.